"Eu Gosto Das Novelas, Talvez Porque Eu Sou Uma Leitora Impaciente" 1

“Eu Gosto Das Novelas, Talvez Porque Eu Sou Uma Leitora Impaciente”

Off Por

Aurora Magro é uma das escritoras mais sérias do panorama narrativo andaluz atual. Em 2017, foi finalista do prêmio Nadal com seu romance “Curva”. Recentemente acaba de anunciar com a editora Sloper. Não é bizarro que o júri de um prêmio tão prestigiado selecionou a obra de Fino entre centenas de candidatos, porque se trata de um romance que prende o leitor desde a primeira página. Nela a autora narra 24 horas pela existência de Antônio, um pai de família que se vê alterada a tua constância.

Conforme diz a escritora, finalizou “Curva” em setembro de 2016, e a mandou para a editora Sloper. “No momento me respondeu o editor, Román Abacaxi, que queria publicá-lo, no entanto eu bem como a tinha exibido o prémio Nadal e não podia retirá-la do concurso.

  1. 6 Visualização no Site Oficial do Produto
  2. 5 Aspectos emocionais
  3. 0,68% de ameríndios,
  4. 8 The Superior Spider-Man
  5. Os flags não implica validação das edições anteriores
  6. Paulo Machín: 223 (210 de Segunda, 6 de promoção a 1º e 7 de Copa do Rei)
  7. um Como é executado o twist russo

A edição de 2017 a obteve Care Santos. Destino não está publicando romances finalistas, uma coisa que ele faz com o Planeta. Só editam a do vencedor. E foi no passado mês de outubro, quando enfim foi lançada Sloper”.

Comenta ainda esta autora que os 3 personagens principais de “Curva” são “muito diferentes já que Antonio é um homem corrente e acomodaticio à realidade”. Pelo oposto, “Raimundo molda a realidade aos seus desejos, aí que reside a diferença entre ambos”. Há que ter em conta que este último é vítima de uma tragédia após ter sofrido um incidente de carro em que morreu sua filha e sua esposa ficou em coma. O terceiro protagonista dessa história, Braga, é “a lealdade é massacrado”.

“É o camarada dos dois, mesmo sendo Antonio e Raimundo, muito diferentes”, observa Delgado, que ambienta a trama no Aljarafe. Uma das principais trunfos da “Curva” é a forma em que está escrito:”Para mim é tão significativo o que se conta como o estilo do enredo. Eu tentei ser uma novela muito depurada ao grau estilístico, e com uma certa poesia.

É uma obra muito realista que mostra a rachaduras da realidade por onde não olhamos”. Além disso, oferece que “eu sou uma leitora impaciente e eu fico muito nervosa no momento em que um texto que tem 20 páginas pode-se resumir em dez.

eu acredito que você precisa aparecer até a medula do texto sem que a história perca agilidade. Que o leitor se monte na história e que tenha muito ritmo”. Aurora Magro tem um Mestrado em Escrita Criativa na Faculdade de Comunicação de Sevilha. Com o mestrado, “mais do que aconselhar a publicar, o que eu aprendi é para fazer críticas de meus próprios textos. A partir de sendo assim, dei-me conta onde falhavam meus textos e onde escreve coisas que não trazem nada”. Nesse significado, sustenta-se que a novela é como a ponta do iceberg, “uma vez que o que fica aquém é o serviço que não se vê.

escreve-Se muito mais do que aparece publicado. Portanto, não é de admirar que, de frente para os best-sellers que possuem um enorme número de páginas, a autora reconheça que “eu amo das novelas ou de extensão média, quem sabe já que eu sou uma leitora sem paciência. Tenho presente que os leitores não têm muito tempo”.